Home > Teoria > De Hegel a Marx… e de Volta a Hegel: A Tradição Dialética em Tempos de Crise

De Hegel a Marx… e de Volta a Hegel: A Tradição Dialética em Tempos de Crise

Conferência “De Hegel a Marx… e de volta a Hegel! A tradição dialética em tempos de crise”, com Slavoj Žižek que aconteceu dia 08/03/2013, sexta-feira às 20h no Sesc Pinheiros na cidade de São Paulo. Esta conferência fez parte da abertura do projeto “Marx: A Criação Destruidora”, organizado pela editora Boitempo, com a participação de alguns dos principais pensadores brasileiros e internacionais especializados em Karl Marx. Neste evento, Žižek teorizou acontecimentos atuais ao redor do planeta e problematizou os projetos da esquerda mundial. Não deixe de conferir esta interessante intervenção de um pensador comprometido com um novo mundo para além do capital.

.

.

.

Os vídeos em português e inglês estão disponíveis abaixo.

Ressalto, entretanto, que Zizek se atrapalha um pouco com a teoria do valor de Marx. Zizek confunde, por exemplo, a fonte do valor (que é sempre o trabalho humano produtivo) com as formas do valor (como lucro, renda e juros). Esta confusão fica clara quando ele discute a questão do rentismo de Bill Gates e também quando afirma serem os recursos naturais, como o petróleo, fontes de valor. Na teoria marxista, só o trabalho produtivo cria valor, o qual então assume distintas formas de acordo com sua distribuição no sistema capitalista. O erro de Zizek é o de afirmar que a renda é uma das fontes do valor, e a usa a Microsoft como exemplo disso. Para quem estiver interessado neste assunto com um ponto de vista marxista, recomendaria o seguinte artigo.

Em segundo lugar, Zizek diz concordar com a tese de Fredric Jameson de que os desempregados são também explorados. Neste caso, ambos Zizek e Jameson se equivocam. Marx foi inteligente o suficiente para notar que o paradoxo do desemprego não é que os desempregados são explorados, mas sim que o desemprego evidencia que o capital depende do trabalho ao mesmo tempo em que se livra dele. Os capitalistas dependem dos trabalhadores para gerar lucro, mas ao mesmo expulsam estes trabalhadores do processo produtivo. Um dos paradoxos da criação de valor é que o capital expulsa o trabalho ao mesmo tempo que dele depende para cria mais valor.

.

.

.

Em português (com tradução simultânea):

.

.

.

Em inglês (com o áudio original):

.

.

.

.

.

.

.

.

.

  1. No comments yet.
  1. No trackbacks yet.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s