Home > Economia e Política no Mundo > A Comida como Ativo Financeiro ou a Financeirização dos Alimentos

A Comida como Ativo Financeiro ou a Financeirização dos Alimentos

Já foi tema neste blog por algumas vezes o fato recente de que grandes bancos estão operando fortemente no mercado de commodities internacionais. Os bancos operam no mercado futuro de vários produtos, muitos deles alimentos que têm o seu preço cotado em mercados internacionais. O problema é que esta pura especulação com derivativos sobre alimentos aumenta em muito volatilidade dos preços e, além disso, desconecta o preço dos alimentos de forças de oferta e demanda. Em muitos casos não se pode mais afirmar que o preço de muitas commodities esteja relacionado com quantidade ofertada ou quantidade demandada. Quem paga a conta é certamente quem mais gasta proporcionalmente com alimentos, sabidamente os mais pobres. Em suma, isto representa a alta finança empobrecendo ainda mais quem já é pobre. Não é a toa que a própria FAO mostrou como o número de famintos no mundo aumentou desde 2001.

“Paul Krugman jogou a responsabilidade do aumento de preços às condições climáticas. Sem dúvida, as secas e enchentes em áreas de excelência na produção de alimentos desempenham um papel importante na contração da oferta de muitos produtos, dentre ele o trigo, o nosso pão de cada dia. Krugman, no entanto, rejeitou as hipóteses que, além dos fatores climáticos e do aumento da demanda de alimentos e de outras matérias primas nos emergentes, apontavam a expansão da liquidez global e suas taxas de juro ínfimas que botam fogo na especulação com as mercadorias transfiguradas em ativos. Krugman, assustado com os falcões da austeridade fiscal e monetária que rondam sinistramente a convalescente economia americana, chuta para escanteio a hipótese das “distorções” causadas pelas políticas anticíclicas e pelos derivativos na volatilidade e na elevação dos preços”

Belluzzo, Carta Maior

“The problem with the current system is when there is one [bit of] bad news, such as wildfires in Russia… speculators bet on higher prices, which leads those holding the food stocks not to sell in the hope of prices going up. This leads states to impose export bans, this leads buyers of commodities to buy as soon as possible in the fear of prices climbing and this leads to a chain reaction on the markets, which is dictated by panic rather than by the fundamentals and by the realities of stocks. That will continue happening until we better regulate the activity of financial investors on those markets for derivatives and agricultural commodities”

– Olivier De Schutter, The Guardian

“Beginning in 2001, food commodities derivatives markets, and commodities indexes began to see an influx of non-traditional investors … The reason for this was because other markets dried up one by one: the dotcoms vanished at the end of 2001, the stock market soon after, and the US housing market in August 2007. As each bubble burst, these large institutional investors moved into other markets, each traditionally considered more stable than the last. Strong similarities can be seen between the price behaviour of food commodities and other refuge values, such as gold”

– Olivier De SchutterFood Commodities Speculation and Food Price Crise – UN Report

 

Clique aqui para ler o relatório das Nações Unidas sobre o tema.

Clique aqui para ver a reportagem do DemocracyNow sobre o tema.

Clique aqui para ver o artigo e a palestra de Jayati Ghosh sobre o mesmo tema.

 

  1. No comments yet.
  1. 9 July, 2011 at 13:30

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s