Home > Economia e Política no Brasil > Por que a Crise Econômica Mundial Não Atingiu o Brasil Com Tanta Força?

Por que a Crise Econômica Mundial Não Atingiu o Brasil Com Tanta Força?

“A razão fundamental é que a matriz das operações financeiras, que provocaram essa crise, estava no centro do sistema, justamente nos Estados Unidos e países mais desenvolvidos. No Brasil não existia muito esse tipo de operação. Como os países emergentes sofreram a rebarba dessa crise, depende muito da política econômica de cada país. Foi se criando ao longo dos últimos 25 anos uma coisa que se convencionou chamar de sistema bancário sombra. É um sistema que não tem banco de varejo, ninguém tem talão de cheque. Ele opera principalmente na área de investimento, são bancos de investimento, corretoras, fundos de pensão, fundos hedge, fundos mútuos, sociedade de investimentos, criando moeda, criando crédito, mas que não estavam sob o abrigo do sistema regulatório, que atinge apenas o sistema bancário. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (banco central norteamericano) atinge apenas o sistema bancário convencional, com suas regulações. Mas o banco com os correntistas também sentiu as consequências das operações do sistema bancário sombra. Qual a diferença do Brasil? Aqui o sistema bancário sombra é muito pequeno, o nosso sistema financeiro é fundamentalmente um sistema bancário convencional. Em segundo lugar, os nossos bancos são mais conservadores e o Banco Central tem exigências de compulsórios muito mais elevados. Pelo Acordo da Basileia, a relação entre o patrimônio do banco e a quantidade de recursos que ele pode emprestar tem de ser no mínimo 8% e, no caso dos bancos brasileiros, pelo menos dos grandes bancos, é acima de 15%”

Leda Paulani, Entrevista à revista Caros Amigos

.

.

.

Entrevista com Leda Paulani na Caros Amigos

.

Por Lúcia Rodrigues

.

Qual é a sua expectativa para 2010?

Leda Paulani – Espero que o resultado de 2010 em termos de crescimento seja melhor do que o do ano passado, 2009 recebeu todo o impacto da crise seja em termos de emprego, produto e investimento. Por isso, 2010 deve ser melhor. No entanto, ainda podemos sentir os desdobramentos da crise.

Por que a crise que atingiu o Brasil foi diferente da que assolou os países desenvolvidos?

A razão fundamental é que a matriz das operações financeiras, que provocaram essa crise, estava no centro do sistema, justamente nos Estados Unidos e países mais desenvolvidos. No Brasil não existia muito esse tipo de operação. Como os países emergentes sofreram a rebarba dessa crise, depende muito da política econômica de cada país. Foi se criando ao longo dos últimos 25 anos uma coisa que se convencionou chamar de sistema bancário sombra. É um sistema que não tem banco de varejo, ninguém tem talão de cheque. Ele opera principalmente na área de investimento, são bancos de investimento, corretoras, fundos de pensão, fundos hedge, fundos mútuos, sociedade de investimentos, criando moeda, criando crédito, mas que não estavam sob o abrigo do sistema regulatório, que atinge apenas o sistema bancário. Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (banco central norteamericano) atinge apenas o sistema bancário convencional, com suas regulações. Mas o banco com os correntistas também sentiu as consequências das operações do sistema bancário sombra. Qual a diferença do Brasil? Aqui o sistema bancário sombra é muito pequeno, o nosso sistema financeiro é fundamentalmente um sistema bancário convencional. Em segundo lugar, os nossos bancos são mais conservadores e o Banco Central tem exigências de compulsórios muito mais elevados. Pelo Acordo da Basileia, a relação entre o patrimônio do banco e a quantidade de recursos que ele pode emprestar tem de ser no mínimo 8% e, no caso dos bancos brasileiros, pelo menos dos grandes bancos, é acima de 15%.

Houve um ponto de inflexão na política econômica do governo Lula pós-crise.  Desse ponto de vista a crise foi positiva?

Essa tendência já existia. É evidente que a crise deu um empurrãozinho. A crise pôs a  nu a fragilidade da teoria ortodoxa e que a economia financeirizada apoia, que vê no comportamento do mercado a solução para todos os problemas ao passo que a visão

mais desenvolvimentista não acredita nessas virtudes do mercado. A crise reforçou essa estratégia desenvolvimentista que eu acredito que já estava traçada no segundo governo Lula.

Como vê as candidaturas presidenciais Dilma e Serra, do ponto de vista da política econômica?

Não há nenhuma diferença de projeto entre as duas candidaturas. Do ponto de vista econômico, o governo Lula simplesmente reproduziu o que o governo Fernando Henrique já fazia. As pessoas dizem: mas ele não privatizou. Bom, mas também… sobrou a Petrobras, que já está privatizada de uma certa forma. Mas se quiserem tirar o controle do Estado, acho que dá uma confusão muito grande e ninguém quer comprar essa briga. Então não tinha muito mais o que privatizar. Mudou muita coisa com a crise, mas no Banco Central ninguém mexeu, a turma do Meireles continua lá. A tendência é, se continuar na estratégia desenvolvimentista, mudar também o Banco Central.

Como deve ser o crescimento econômico brasileiro em 2010?

Vai ser melhor. Acho que 2009 terá um crescimento negativo. Se for zero será um ótimo resultado. Portanto, o crescimento de 2010 deverá ser melhor que o do ano passado, em torno de 4%, até porque é ano eleitoral.

E em relação ao desemprego?

O Brasil vinha em uma trajetória de aumentar o número de empregos, inclusive formais,  e deu uma segurada, mas acho que retoma de alguma maneira em 2010. Em relação à distribuição de renda a tendência também é melhorar. A melhora do nível de emprego, melhora a distribuição de renda. Outro fator que vai pesar é o novo aumento do salário mínimo. O aumento do salário mínimo real implica nessa melhora na distribuição de renda que observamos e não o bolsa família, como estão dizendo. O salário mínimo é direito. O Bolsa Família é uma liberalidade do governo que pode dar em uma hora e em outra não. Então o salário mínimo é muito mais importante para explicar essa  distribuição da renda do que o Bolsa Família.

Que setores devem crescer?

O crescimento está sendo puxado basicamente pelo consumo doméstico e isso acaba afetando setores convencionais, como a indústria de transformação leve: roupa, alimento, remédio etc. e que normalmente tem uma quantidade de emprego formal maior que em outros setores, como o de serviços. Portanto, o emprego formal deve crescer. Os investimentos crescem menos, mas por conta dos investimentos governamentais do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) também deve crescer um pouco devido ao programa Minha Casa, Minha Vida, embora a construção civil já seja um pouco mais complicada, porque tem uma parte que não é formal. Os serviços crescem por tabela, porque quando cresce a indústria crescem os serviços. Vai ter um impacto positivo em todos os setores, menos no de investimentos. Estou falando da relação de formação bruta de capital fixo (máquinas, ferramentas, tratores etc.) em relação ao PIB que estava se recuperando desde 2005. Mas a crise deu um baque e recuou. E as projeções que foram feitas demonstram que a crise pode ter causado um retrocesso de dois a três anos. A indústria vai produzir mais, mas os investimentos ainda vão levar um tempo para serem retomados.

O que os trabalhadores podem esperar da economia em 2010?

Um pouco de recuperação do emprego, não sei se dá para esperar um aumento de salário médio real, a não ser o do próprio salário mínimo. Mas quando a economia está crescendo os sindicatos podem na luta recuperar esse panorama.

.

.

.

Clique aqui para ler a entrevista completa de Leda Paulani à Caros Amigos.

.

.

.

.

.

.

.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s